14 de dezembro de 2010

Um monólogo

Semblante meu
Sinônimos meus

Aos meus olhos a porta expor
Em fé que voltarei
Recolher-me

Imensa paisagem

Nascente virou rio
Rio oceano
Discreta fantasia
Bucólica e aprazível

O tempo corre célere
Em verso
Poesias de menina
Amores de um tormento infindo
Fazem deste resto lúcido
Uma orquestra utópica


Esvair-se
Ávida de pensamentos
A folhear os grande livros


Semblante meu
Antônimos meus

Um monólogo

5 comentários:

Camilla Rabelo disse...

Olá, aqui é a Camilla, do antigo blog Devaneios, sonhos e loucuras. Estou passando pra avisar que criei um novo blog, e o antigo foi desativado. Por favor, se possível, passar a seguir o: http://meu-lar1.blogspot.com/

Será um prazer ter você como seguidor(a) novamente.

Abraços!

Mariana Andrade. disse...

meu monólogo tem mil e um atos.

Henrique Miné disse...

esse é do tipo que, quando começa, demooora a terminar, né?

E pior que nem sempre é tão prezeroso :/


beeeijos.

Erica Vittorazzi disse...

Que lindo!!! Nossos monólogos são assim mesmo: cheios de sinônimos e antônimos.


beijos

Verânia Aguiar disse...

:) gossteeii