27 de outubro de 2011

O tempo passa

   O céu, ainda sobressaía os limites tênues da terra. Limpo, compartilhava o horizonte em puro azul. Folhas caiam e árvores bradavam quando o vento tropeçava. Aqueles sim, eram tempos difíceis e vagos, pensou. Acolá uma menina, a espera de um telefonema qualquer. Uma história sequer.
   Um canto cheio de livros e páginas viradas. De resto, apenas a sombra curiosa de um corpo encrespado pelas horas. Os cabelos brancos, tão ruivos foram! E o colágeno? Adeus! Os dias somam o tempo.
   Ali os retratos, exibindo como tudo esteve tão correto e concreto, para os outros. Ela viu a insolência de pensar de si insuficiente, contudo, foi a falta de palavras que a fez. Afetos, desafetos, inconstâncias, o enredo em particular, nunca lhe chamaram a atenção. Teria feito melhor, e sabia.
   Só hoje, no entanto, vê a subjetividade que existe na vida. O vento cessou então, e a juventude. Deu o que pode, não recebeu. Aqui, as costas arqueadas de uma jovem, já senhora, indo em busca das lembranças que queria ter quando sua alma envelhecesse. Assistindo ao céu, e a sua dor.

Tão bom quando surgem assim, o tempo, a inspiração. Bateu uma saudade...
Eu realmente quero atualizar isso aqui. Beijos!

5 comentários:

Mariana Andrade disse...

e ficou lindo, ana.. aliás, teu blog todo tá lindo (:

Henrique Miné disse...

não sabe como seu ultimo comentário me fez bem, bom e estranho saber que alguém que eu na verdade nem conheço (e, sei lá, nem acho que vá conhecer, sejamos sinceros... Mas seria legal, enfim)até que me entende nessas horas estranhas...

sei lá, obrigado.

Esculpindo Ilusões disse...

Passei aqui para te desejar um lindo domingo.

Henrique Miné disse...

eei, pare de postar e apagar os textos assim, nunca da tempo de eu leer! :/

Henrique Miné disse...

pois então pare logo que dá saudade de ler você, hehe.

E seus comentários me deixam sempre tãao feliz! =)