27 de outubro de 2011

Licença

Sabe se pensar
Que pensar não é amar
E amar não é pensar
Que se ama


Sabe se parar
Que ficar não é estar
E permanência é conceito
Saliência


Sabe se souber
Que saber de nada vale
De tudo
Nada ama à saliência


Sabe se esperar
Que o tempo consta
E igualmente
Chove inconstante


Sabe
Licença
Caberíamos nós



Um comentário:

Henrique Miné disse...

aaaaaaaaaaaah, que bonitinho esse final, hehe x)

bom, só espero que, seja quem for, realmente saiba disso, né?

beeeeijos!